Bombeiro mirim conta como salvou irmão de um ano que engasgou com mingau no interior do Acre

bombeirmirim2

O pequeno William Vitório Ciriaco Frota, de 12 anos, é o que se pode chamar de garoto prodígio. O garoto, que é aluno do projeto Bombeiro Mirim em Epitaciolândia, interior do Acre, salvou o próprio irmão de um ano após o bebê ficar engasgado enquanto tomava mingau.

Pouco tempo depois, ele resgatou uma menina enquanto ela se afogava em uma piscina de balneário.

O primeiro caso aconteceu na casa do bombeiro mirim, em Brasileia, no mês de julho. Enquanto jogava futebol com os amigos, Frota foi avisado de que a mãe o estava chamando com urgência na residência. O irmãozinho já estava doente há algum tempo e enquanto tomava o mingau ele vomitou o alimento, que ficou retido nas vias respiratórias deixando-o sem respiração.

“Disse para enxugarem toda a secreção que tava no nariz dele. Depois eu suguei o alimento com a boca, ele voltou a respirar e deixou de ficar roxo. Logo depois liguei para o meu pai. Se eu não tivesse feito esse procedimento antes de falar com meu pai, acho que hoje meu único irmão não tinha sobrevivido e não ia estar com a gente. Fiquei muito feliz de salvar ele”, afirma Frota.

Já o segundo e inesperado ato de bravura do bombeiro mirim foi na cidade de Cobija, na Bolívia, em setembro. Enquanto estava se divertindo em um passeio com a família em um balneário,  William viu uma menina de 3 anos se afogando em uma das piscinas do local.

Mesmo com medo e sem saber nadar muito bem, ele se jogou nas águas e resgatou a criança do afogamento.

“Estava saindo do banheiro e quando passei pelo corredor vi ela se afogando. Coloquei em prática tudo que aprendi no curso do bombeiro mirim e me joguei lá dentro. Quando cheguei perto, peguei no braço da menina e saí nadando até conseguir tirar ela da piscina. A família dela fez errado e não me deixou prestar os primeiros socorros, ligaram direto para a emergência”, relembra Frota.

O pintor Jonas Frota, de 39 anos, pai de William Vitório, conta que ficou emocionado com os atos do filho. Ele avalia que os estudos do garoto e o curso do projeto bombeiro mirim estão ajudando o filho a ser alguém melhor.

“Quando ele me contou que salvou a menininha, fiquei muito feliz. Meu filho sempre foi um garoto comportado e bom. É uma emoção grande”, fala o pintor entre lágrimas.

O pai fala emocionado que Frota sempre serviu de exemplo para a família e se esforçou para os estudos. Para ele, o filho está trilhando um bom caminho para ajudar aos que precisam. “Quero que Deus continue usando e abençoando meu filho para ajudar as pessoas. Meu filho é tranquilo, animado e representa tudo para a minha família”, declara o pai chorando.

Evolução

A soldado Luciana Maciel, do 6° Batalhão do Corpo de Bombeiros em Epitaciolândia e uma das instrutoras do projeto Bombeiro Mirim, afirma que o pequeno Frota sempre foi um menino aplicado no curso.

Mesmo com toda a dedicação, ela diz ter ficado surpresa quando soube do segundo salvamento. Ela lembra que o adolescente no início do curso, em março deste ano, não sabia nadar e evoluiu nesse aspecto.

“O Frota é um mirim muito aplicado, tanto na questão de assiduidade e pontualidade quanto a pegar rápido as instruções. Na natação, a turma era dividida em dois e ele fazia parte dos que não sabiam nadar. Mas, ele teve um avanço muito grande porque é bastante aplicado e levou as instruções a sério. Hoje [perto do fim do curso], ele já consegue atravessar a piscina de uma ponta a outra”, relembra Luciana.

A soldado relata que o próprio bombeiro mirim falou sobre os salvamentos. Para ela, o sucesso das ações de Frota refletem a importância social do projeto e a dedicação do aluno.

“Nós, enquanto instrutores, sempre ficamos muito felizes porque a gente vê que plantou a semente e os frutos já estão sendo colhidos. Ficamos muito felizes. O Frota é muito habilidoso no cumprimento das tarefas”, finaliza.

Por: Josy Monteiro

Da Redação: avozdafronteira.com (com informações: g1.globo.com)